Handmades</center>
 
*
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registro. 25 de Maio de 2019, as 16:16:24


Login com nome de usuário, senha e duração da sessão


collapse

* Usuário
 
 
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registro.

* Tá ligado?
  • Dot Visitantes: 21
  • Dot Escondidos: 0
  • Dot Membros: 0

There aren't any users online.

Como construir guitarras/baixos sem ser luthier (e sem querer ser)
Autor: Marcio Calasans (01/06/2005)

Guitarra e Baixo Hand-Made

     Este artigo descreve minha experiência na construção de um baixo e de uma guitarra hand-made. Realizei estes projetos, com muito sucesso, já há bastante tempo (o baixo em 1987 e a guitarra em 1988 para ser mais preciso). Vale informar, que não sou luthier (nem tenho a menor pretensão em ser) e não tenho conhecimentos em trabalhos de marcenaria, apenas boa vontade, criatividade e pesquisando para descobrir como se faz.

     Histórico

     Vou começar contando um pouquinho de história (sim, com H pois não é lenda), falando sobre os motivos que me levaram a construir meu baixo (e depois minha segunda guitarra) ao invés de usar o método mais simples de ir a uma loja e comprar um(a) pronto(a).  Na época, como todo bom adolecente (duro), tinha convencido meu pai a me dar uma “fabulosa” guitarra Giannini Sonic (quem é desta época sabe o que quero dizer com “fabulosa”...e digo que foi difícil convencer o velho) depois de estar estudando violão clássico por já por 1 ano (cheguei a estudar por 8 anos, para os iniciantes digo que o início foi duro, mas valeu a pena!). Entretanto, pouco menos de 1 ano depois, me juntei com uns amigos de colégio para montarmos uma banda e tocarmos em um sarau (que aconteceria no final de semana seguinte) e adivinhem o que resolvi tocar....baixo! Sim, isso mesmo, os únicos problemas eram que eu não tinha o instrumento como também nunca havia encostado num baixo na vida, mas naquela idade, isso era o de menos, afinal conseguimos um baixo emprestado com um colega, sendo que só poderia pegá-lo 2 horas antes da apresentação – puro detalhe! Encurtando a lenda, ensaiei com a guitarra Sonic mesmo (estourando meus dedos para praticar) e fiquei 2 horas antes da apresentação treinando no baixo de verdade – no final, tudo deu certo (ufa!). Meu problema começou aí, quando resolvemos continuar com a banda e meu pai se recusou terminantemente a continuar “financiando” minhas loucuras musicais – “se continuar assim, daqui a pouco terei que comprar uma tuba”, dizia ele. Como eu não tinha dinheiro suficiente para comprar um baixo na loja, resolvi junto com um dos guitarristas da banda, construir um baixo na mão, comprando as peças aos poucos (teve um natal que pedi presente em cash para a família toda para a Fundação Pró-baixo). Só para animar mais um pouquinho, o corpo do baixo foi construído com os restos mortais do tampo de uma escrivaninha, cuja madeira era de qualidade, da antiga casa de meus avós que coincidentemente estavam de mudança e iria ser sucateada. Resumindo, meus motivos eram simples: Pouca verba e muito gosto pelo desafio! Agora chega de enrolar e vamos ao projeto!

     Preparando para começar

     A construção destes instrumentos, não é complicada, entretanto algumas regras são fundamentais para obter sucesso no projeto:

  • Muita calma e paciência
  • Escolha de bons componentes
  • Aquisição de um braço de qualidade
  • Muita atenção nas medidas de pontos chaves do instrumento
  • Bom aterramento da parte elétrica

     Você deve ter notado que falo na aquisição de um braço de qualidade. Sim, o braço é praticamente a única parte que não iremos construir. Porque ? Simples, construir um braço de guitarra ou baixo é uma tarefa complicadíssima que requerem habilidades de luthier, uma vez que a menor falha significa estragar o instrumento. Outra grande recomendação que faço é que se você não for um expert em pintura (mesmo que você seja apenas bom), contrate uma oficina de lanternagem de automóveis (funilaria, para os paulistanos) para pintar o instrumento. O acabamento fica outro departamento. Pessoalmente, tentei pintar meu baixo umas 8 vezes e ficava MUITO ruim, até que meu tio teve a idéia (e me deu de presente) uma pintura na oficina de um conhecido dele – ficou excelente! Para a guitarra, não pensei duas vezes.

     O que você irá precisar

     Ferramental:

  • Serra tico-tico elétrica
  • Furadeira + brocas para madeira de vários tamanhos (veja os tamanhos dos parafusos que você irá usar)
  • Lixadeira elétrica (esta pode ser dispensada, mas dará um pouco mais de trabalho)
  • Grosa
  • Formão
  • Martelo
  • Chaves de fenda e phillips (providencie também uma chave de fenda grande e comprida para fixar o braço)
  • Lixas 100/120 e d’água
  • Jogo de alicates (nornal, de bico e de corte)
  • Ferro de solda
  • Solda
  • Cola para madeira
  • Durepoxi
  • Pregos com 3,5 cm de profundidade
  • Parafusos diversos

     Para a construção da guitarra/baixo:
  • Braço do instrumento (esta é a primeira peça que você deve providenciar!)
  • 01 chapa de madeira compensada de 1 cm de espessura
  • 01 chapa de madeira compensada de 2,5 cm de espessura
  • 01 placa de acrílico ou fórmica com 2mm de espessura para fechar a parte elétrica, preferencialmente da cor escolhida para o instrumento

     Dicas:

  • Para a madeira: cerejeira e cedro são boas opções por serem macias, resistentes e fáceis de trabalhar.
  • Verifique na loja de madeiras se as chapas de compensado são de boa qualidade, não estão empenadas e não tem “espaços” vazios no meio.
  • As medidas das chapas de compensado deverão ser idênticas e capazes de “caber” o desenho do corpo do instrumento com sobras de uns 5 cm na largura e no comprimento.
  • Não pense em usar madeira maciça pois não dá para trabalhar de forma artesanal. Use compensado!

     Peças “musicais”:

  • 01 captador duplo (double-coil) para ponte (bridge) + moldura de fixação (para a guitarra)
  • 01 captador duplo (double-coil) para pescoço (neck) + moldura de fixação (para a guitarra)
  • 01 captador para baixo
  • 01 ponte com altura e distância reguláveis (evite usar pontes com alavancas complexas, pode dificultar muito o trabalho)
  • 01 jogo de tarraxas (certifique-se queo sentido de giro das tarraxas se adaptam ao braço adquirido, isto é, 6 em linha ou 3 em cada lado, ou equivalente para o baixo)
  • 02 acabamentos para os botões de volume e tone
  • 02 presilhas para correia (strap)
  • Cordas (obviamente)

     Nota: No meu projeto, utilizei captadores (pickups) e ponte Schaller (http://www.schaller-guitarparts.de). Na guitarra, o captador bridge (que fica próximo à ponte) é o modelo Golden 50 e o captador neck (que fica junto ao braço) é o modelo Golden 50 super, ambos de núcleo duplo para darem um som mais encorpado ao instrumento. A vantagem de utilizar captadores duplos está no fato dos mesmo poderem ser chaveados para atuarem cada um como 2 captadores simples, produzindo um som mais “leve”. No baixo, o captador usado é o Schaller PB6 de 2 módulos. Nota 2: Procure comprar pontes e tarraxas de qualidade, elas duram a vida toda se bem conservadas. Ferragens vagabundas se desgastam rápido e logo precisam ser substituídas, fazendo você gastar 2 vezes.

     Para a parte elétrica:

  • Fios (veja as fotos mais adiante para comprar corretamente)
  • 02 Potenciômetros de 500k-ohm
  • 01 capacitor cerâmico de 0.020-0.050mf
  • 02 chaves seletora tipo on-on de 6 pinos (uma para cada captador)
  • 01 conector de plug banana fêmea
  • Papel alumínio

     Nota: Neste projeto, utilizaremos um esquema elétrico bastante simples, com apenas 1 botão global de volume + 1 botão global de tone. No caso da guitarra, teremos também 2 chaves seletoras para os captadores chaveando-os entre single-coil e double-coil. Você pode buscar na Internet outros projetos elétricos mais sofisticados para os captadores que você escolher.

     Projetando o instrumento

     De posse do braço do instrumento, peça chave para o sucesso do projeto, iremos desenhar o shape do instrumento. O macete fundamental para que sua guitarra ou baixo afinem depois de prontos está na medida do posicionamento do braço com a ponte. Vou encher um pouco a paciência sobre isto: Se você errar nestas distâncias, sua guitarra ou baixo NÃO AFINARÃO corretamente depois de prontos, portanto respeite as leis da física!!! Segue a regra: REGRA DA DISTÂNCIA:A distância “d1” entre a base das cordas (traste 0) junto ao pescoço do braço até o 12o traste (posição onde a nota musical corresponde a 1 oitava acima da nota natural de cada corda) tem que ser EXATAMENTE a mesma distância ”d2” entre o 12o traste e a base de apoio das cordas na ponte (ver figura abaixo).


     Agora ficou claro porque adquirir o braço é a primeira coisa a ser feita (cada braço tem um tamanho diferente do outro), como também porque a ponte deve permitir regulagem de distância das cordas. Bom, o shape a ser escolhido varia com o gosto do freguês, apenas deixo a dica para tomar cuidado para evitar deixar tanto excesso como escassez de madeira na parte contrária ao braço, afim de balancear o peso do instrumento e evitar dores nas costas com o tempo de uso. Vale a pena buscar um desenho de shape já pronto na Internet. No meu caso, escolhi para o baixo uma adaptação do shape de uma Lado Earth 2000-2 (http://www.lado-guitars.com) e para a guitarra, me baseei no shape da Gibson X-Plorer (http://www.gibson.com).

     Baixo


Lado Earth 2000-2


Meu baixo


     Guitarra


Gibson X-Plorer


Minha guitarra

     Para começar o desenho, pegue uma folha de papel pardo grande ou cartolina e desenhe a ponta do braço que ficará presa ao corpo do instrumento, em tamanho natural (coloque-o em cima do papel para não ter erro e trace uma linha em volta). Tire a medida da “regra da distância” e risque a posição onde o suporte das cordas da ponte deverá ficar. A partir daí, use sua criatividade para fazer o shape, só não se esqueça de deixar espaço suficiente para a cavidade da parte elétrica do instrumento. Ah, outra dica útil: na ponta do shape que ficará embaixo do braço, tome cuidado com a distância para não bloquear o acesso de sua mão, quando estiver tocando, nas casas do braço mais próximas ao corpo do instrumento. Veja a ilustração do passo 1. 


Passo 1

     Agora, traçe sobre o desenho, as localizações dos furos que fixarão a ponte ao corpo, as cavidades dos captadores e os “túneis internos” para passagem dos fios e a cavidade da parte elétrica, conforme ilustração do passo 2 abaixo:


Passo 2

     Ok, agora com o shape traçado, verifique se todas as medidas e distâncias estão corretas, coloque os componentes em cima do desenho, incluindo os da parte elétrica para certificar que os mesmos caberão dentro da cavidade desenhada sem encostarem uns nos outros e sem ficarem forçados nas paredes da cavidade, etc. Certifique-se também que deixou espaço suficiente dentro dos “túneis” para acomodar devidamente a fiação dos captadores. Uma observação: no desenho, tracei um túnel entre a cavidade da parte elétrica e o parafuso da ponte. Este “túnel” na verdade deverá ser um simples furo, a ser feito com a furadeira com diâmetro para passar somente um fio de aterramento. Não faça uma cavidade grande para este “túnel” para não prejudicar a fixação da ponte. Sugestão Interessante: Antes de começar a construir o instrumento na madeira, deixo como sugestão prototipar a construção do corpo em placas de isopor, que custam muito barato, para validar as medidas, distâncias, ergonomia (isso é muito importante), locais de corte, etc. Fazendo isso, você estará se preparando com uma simulação quase real de como deve fazer quando for para a madeira.

     Cortando o corpo

     Agora, vamos dar uma de mágico e vamos serrar o corpo....da guitarra/baixo. Para isto, pegue as duas chapas de compensado e coloque uma sobre a outra. Agora pegue uns 4 a 6 pregos e simplesmente pregue uma na outra, deixando a mais espessa voltada para o lado da frente do instrumento (sem enterrar totalmente os pregos, pois logo iremos separá-las novamente). Disponha os pregos de forma a ficarem dentro do desenho do shape do instrumento e então com um marcador (pilot) desenhe o shape na madeira. Pegue a serra tico-tico e corte a madeira no formato do shape. Lembre-se que é sempre preferível deixar sobras na madeira para tirar manualmente depois do que cortar demais e não poder repor, ou seja: Não corte exatamente em cima da linha, mas sim um pouco para fora, também sem exagerar (se não haja braço para tirar as sobras). Muito bem, concluído o corte, vamos para a academia modelar o corpo (você irá suar um pouco agora!). Com a grosa, comece a retirar os excessos de madeira das laterais do shape afim de modelá-lo até chegar nas linhas traçadas. Esta é uma tarefa trabalhosa e requer paciência. Não se preocupe neste instante em arredondar bordas, foque em dar formato ao instrumento. Concluída a “grosagem”, pegue a lixadeira elétrica (ou pegue a lixa na mão se você não tiver a lixadeira) e com muito cuidado, pois a lixadeira elétrica age muito rápido, acerte as laterais do shape atingindo o formato final e deixando a madeira razoavelmente lisa (não se preocupe com a perfeição pois ainda vamos lixar mais um pouco no final). Agora, com o auxílio do martelo, retire os pregos com cuidado para não danificar a madeira e vamos separar as chapas de compensado para podermos continuar o trabalho, pois a partir de agora, cada chapa será trabalhada de forma diferente.

     Preparando a chapa frontal

     Na chapa frontal, realizaremos os cortes e furos para instalação dos captadores, da ponte e do botão de volume, assim como também o encaixe do braço no corpo do instrumento. As marcações do posicionamento de cada peça precisam ser feitos com muito cuidado para garantir o alinhamento entre braço, captadores e ponte. O primeiro passo é desenhar cuidadosamente o local exato onde o braço será encaixado, incluindo seu alinhamento com o corpo, seguido pelo desenho dos furos da ponte, então as aberturas dos captadores e finalmente os locais dos furos para as chaves seletoras, plug e botões de volume e tone. Cuidado ao marcar a abertura dos captadores de forma a não cortar os locais de fixação dos parafusos da moldura e depois não ter onde fixá-los. A ilustração abaixo mostra o resultado da parte da frente da chapa frontal:


     Com tudo devidamente marcado na madeira, faça o corte da abertura de encaixe do braço e em seguida os buracos dos captadores. Quanto aos demais furos, não os faça neste momento, apenas deixe-os marcados. Use a mesma técnica de não cortar em cima da linha usada no corte do corpo para tirar os excessos na mão com a grosa. Na parte traseira da chapa, marque o local da cavidade elétrica. Aqui você deve tomar MUITO CUIDADO !!! O trabalho da cavidade elétrica nesta chapa é muito delicado, uma vez que nossa guitarra/baixo não terá placas de acrílico na frente, portanto devemos “cavar” cuidadosamente, com o formão e martelo, retirando lâmina por lâmina do compensado até deixarmos somente 2 lâminas para atingir a “superfície” da madeira. Sugestão: faça os furos da parte elétrica antes de começar a cavar, pois os mesmos ajudarão a “medir” a hora de parar de cavar. Veja como deve ser o resultado na ilustração abaixo.


     Vou dar a dica de como “cavei” minha guitarra e meu baixo: pegue o formão e posicione-o sobre a linha do desenho. Bata com o martelo até fincá-lo de forma a atravessar a primeira lâmina do compensado. Repita esta operação em toda a volta da linha da cavidade e então começe a inclinar o formão de modo a “arrancar” a lâmina fora. Vá fazendo isto até chegar na profundidade final (faltando 2 lâminas para chegar a “superfície”). Essa parte, sem dúvida dá trabalho! Depois, use a furadeira de leve nas laterais para “acertar” o corte e finalmente passe grosa para dar o acabamento. Vale dizer que a aparência do resultado não fica bonita, mas não se preocupe, pois no final iremos revestir com papel alumínio!  Não esqueça de também “cavar” os túneis por onde os cabos dos captadores passarão para chegar na cavidade elétrica, da forma ilustrada acima.

     Preparando a chapa traseira

     A preparação da chapa traseira é bastante similar a da parte frontal, diferenciando pelos “buracos” que serão feitos. Para fazer as marcações na chapa de madeira, coloque as duas chapas uma sobre a outra, tal como ficará o instrumento depois de pronto e posicione o braço já na abertura. Agora, com muito cuidado, trace os locais do corte do suporte do braço na chapa traseira, tomando cuidado para garantir uma boa fixação do mesmo. Depois de desenhar o suporte do braço, trace o local da cavidade elétrica e corte-a abrindo um buraco na madeira. Em relação aos captadores, voce agora vai precisar verificar se a profundidade do “buraco” na chapa frontal é suficiente para acomodar os captadores e seus fios em uma altura que não batam nas cordas. Para isso, monte-os sobre as molduras e encaixe-os em suas aberturas, inclusive passando o fio pelos túneis. Caso você verifique que o buraco está “raso” demais, trace na chapa traseira os locais da abertura dos captadores e “cave” um pouco esta chapa até atingir a profundidade necessária. Abaixo, a ilustração de como deve ficar o resultado da chapa traseira (vista pela frente):


     Juntando o corpo

     Agora, com todas as cavidades cortadas, junte as duas chapas do corpo e faça uma verificação se todas as peças se encaixam corretamente, incluindo o material da parte elétrica. Tudo validado ? Então vamos finalmente juntar o corpo. Neste momento, poderá acontecer de algumas partes das laterais não estejam 100% encaixando uma com a outra, mas não se preocupe, pois no pré-acabamento acertaremos isso. Limpe bem as superfícies das chapas de madeira e espalhe cola de madeira por todo o local onde a chapa traseira se encontrará com a chapa frontal. Passe a cola em ambas as chapas (siga as instruções na embalagem da cola de como proceder na colagem, normalmente indicam para passar a cola, deixar alguns instantes ao ar livre para então juntar as partes). Junte, finalmente as chapas, cuidadosamente acertando o alinhamento entre elas. Logo em seguida, pegue o martelo e os pregos e pregue uma chapa na outra, posicionando os pregos em locais estratégicos que garantam uma boa fixação das chapas (use algo em torno de 8 pregos no total). Bata-os bem de forma a não deixar ponta de fora (Observação: procure usar pregos feitos de material que não oxide para não correr riscos de estragar a pintura no futuro). Ah, e tome muito cuidado na hora de bater os pregos para não desalinhar as chapas!!! Concluído, deixe a cola secar bem antes de prosseguir.

     Fazendo o pré-acabamento

     Estamos quase terminando a construção do corpo da guitarra/baixo, então vamos dar o acabamento na madeira afim finalizar o processo. Primeiro, usemos a grosa para retirar todos os excessos de madeira das laterais do instrumento, nivelando as duas chapas de compensado, agora coladas. Em seguida, vamos arredondar as bordas do shape, passando a grosa no sentido da superfície para as laterais. Arredonde conforme seu gosto combinando com o formato do shape (alguns pedem um formato mais arredondado que outros). Ainda com a grosa, acerte cuidadosamente possíveis sobras de madeira no encaixe do braço, nas cavidades dos captadores e da parte elétrica. Antes de passar as lixas, vamos tampar os buracos e imperfeições das chapas de compensado (partes ocas) que você provavelmente irá encontrar principalmente nas laterais. Aproveite para consertar possíveis lascas que você tenha tirado indevidamente das superfícies do corpo durante a construção. Para isto, usaremos a durepox! Pegue uma vasilha com água para auxiliá-lo, misture a massa branca com a cinza, tal como nas instruções do produto, e vá preenchendo com massa todas as falhas encontradas na madeira. Procure não deixar excessos de massa para fora. Para facilitar, após encher as falhas com massa, umideça os dedos com a água da vasilha e passe-os dando acabamento na superfície da massa, deixando-a como se fosse parte da madeira. Deixe secar conforme as instruções do produto. Agora, com a lixadeira elétrica, usando uma lixa 100 ou 120, lixe sem fazer muita pressão (para não deformar a madeira) todo o instrumento, deixando-o o bem liso. Para finalizar, pegua uma lixa d’agua (bem fina) na mão e lixe novamente todo o instrumento para que ele realmente fique bem liso, como se você fosse usá-lo sem pintura. Aproveite agora para fazer os furos de fixação da ponte e faça também um pequeno furo, capaz de caber um pedaço de fio, entre a cavidade elétrica e o furo do parafuso da ponte mais próximo. Este furo deve ficar totalmente dentro do corpo sem vazar para nenhuma das superfícies.

     Furando o braço

     Bom, agora que temos o corpo da guitarra/baixo pronto, vamos fazer a furação do braço. Primeiro, coloque a chapa metálica que prende o braço na parte traseira do instrumento, alinhando-a corretamente e marque a posição dos parafusos. Com a furadeira, faça os furos na madeira e de acabamento nos mesmos com a grosa. Com bastante cuidado, posicione o braço firmemente no encaixe, exatamente no local e no alinhamento que deve ficar e, sem move-lo 1 milímetro sequer, marque a posição dos parafusos. Com a furadeira novamente, faça os furos dos parafusos no braço com cuidado para não abrir demais os buracos e deixar os parafusos soltos. A fixação dos parafusos do braço é bastante importante. Agora, vamos furar a mão do braço para a instalação das tarraxas. Com o auxílio de uma cartolina ou isopor (o isopor é melhor por permitr o teste de encaixe das tarraxas), reproduza o formato da mão do braço e marque as posições dos furos, distribuindo as tarraxas uniformemente tomando cuidado com a distância entre uma e outra e certificando-se que a parte móvel irá girar livremente. Transfira as marcações para a madeira e faça os furos cuidadosamente. Dê acabamento nos furos com a grosa e finalmente instale as tarraxas.

     A primeira montagem do instrumento

     Você deve estar ansioso neste momento para ver o resultado desta loucura funcionando, então vamos lá, fazer a primeira montagem. Quero deixar claro, para os não ansiosos, que esta montagem não é para satisfazer a curiosidade de ver o instrumento funcionando, mas sim para permitir a validação da construção antes de realizar a pintura, permitindo possíveis correções que sejam necessárias. Vale também colocar que não faremos as conexões da parte elétrica neste momento, pois esta montagem é só para validar a construção. Instale as peças na seguinte ordem:

  • Braço - utilizando a chave de fenda bem comprida (nem tente com chaves pequenas, é capaz de quebrá-las ou espanar o parafuso)
  • Ponte – na instalação da ponte, meça com todo o cuidado a distância do suporte das cordas em relação ao 12o traste do braço, para fixar-la corretamente
  • Captadores (passando a fiação por dentro dos túneis)
  • Potenciometros de volume e tone, chaves seletoras e plug
  • Presilhas da correia (teste bastante segurando com as mãos afim de encontrar o melhor ponto de fixação – acredite, 1cm faz uma grande diferença)
  • Cordas

     Antes de por as cordas, use uma trena ou metro para fazer uma regulagem fina da distância dos suportes das cordas em relação ao 12o traste, caso sua ponte permita este tipo de regulagem. Ao colocar as cordas, você poderá sentir necessidade de fazer alguns ajustes finos como a altura da ponte para que as cordas não fiquem muito altas  em relação ao braço ou baixas demais, arrastando no mesmo (trasteando). Regule também a altura dos captadores de forma a ficarem bem próximos às cordas mas sem que as mesmas toquem neles.

     Validando a construção

     Tambores rugindo....luzes no picadeiro....vamos testar! Agora simplesmente afine! Teste a afinação por equivalência de notas em cordas distintas em diversas posições do braço para certificar que a afinação está válida para todas as posições. Caso você perceba que a partir de determinado traste, o instrumento está perdendo a afinação, verifique novamente as regulagem conforme a regra da distância – este problema sempre se resume a isso. Pronto, toque um pouco para satisfazer a vontate e sentir como ficou o instrumento. Aproveite para verificar se não há nenhuma falha a ser corrigida.

     Nota: Afinar o baixo com o instrumento desligado é uma tarefa bastante chata devido ao som emitido pelas cordas ser quase inaudível. Para facilitar, encoste o colovelo na madeira do corpo e coloque a ponta de um dos dedos no ouvido fechando-o. Você escutará perfeitamente o som das cordas através da audição por vibração.

     A pintura

     Vamos desmontar todo o instrumento novamente, guardar as peças e submeter o corpo à pintura. Conforme sugeri inicialmente, continuo recomendando contratar uma oficina de lanternagem (funilaria) para realizar a pintura, portanto não darei orientações de como proceder para pintar pois minha experiência (de 8 tentativas) foi um total fracasso!

     Blindando a cavidade elétrica

     Com o corpo de volta da oficina, já devidamente pintado, vamos fazer a blindagem da cavidade elétrica para garantir um bom aterramento para a guitarra/baixo, evitando aquele zumbido insuportável que alguns instrumentos fazem. Pegue um pedaço de fio de uns 10 a 15cm de comprimento e descasque-o completamente, deixando a parte central torcida para não espalhar os filamentos. Passe o fio através do furo entre a cavidade da parte elétrica e o buraco do parafuso da ponte. No lado da ponte, abra os filamentos do fio de forma a serem fixados com bastante contato com o parafuso da ponte. Pegue o papel de alumínio e dobre-o 3 ou 4 vezes tornando-o espesso e mais resistente. Molde-o agora de forma a revestir todo o fundo e laterais da cavidade da parte elétrica da guitarra/baixo encaixando os filamentos abertos do fio que liga à ponte entre as camadas do papel dobrado, garantindo uma grande superficie de contato entre eles. Retire-o já moldado e espalhe cola (pode ser cola branca normal) por toda a cavidade elétrica do corpo do instrumento. Deixe secar por alguns segundos e então encaixe e fixe bem o papel de alumínio na cavidade elétrica. Deixe secar bem e fure o papel de alumínio cuidadosamente no local dos furos de encaixe das peças. A ilustração a seguir mostra o resultado da blindagem da parte elétrica:


     Preparando a parte elétrica

     Neste momento, deveremos montar a parte elétrica da guitarra/baixo. Para isto, usaremos um esquema elétrico bastante simples que extraí do site da Schaller, fabricante dos meus captadores e ajustado por mim para a forma de ligação que desejava (1 volume + 1 tone + 2 phase switches). Pesquisando um pouco na Internet, você conseguirá encontrar outros esquemas mais simples ou mais sofisticados que este, caso deseje. Neste esquema, os phase switches, um para cada captador, são responsáveis por alternar o funcionamento de cada um deles para double-core ou twice-single core (ligação em série ou em paralelo dos núcleos). Na montagem, procure fazer as soldas longe do corpo do instrumento, somente levando-o para o local na hora de soldar os fios dos captadores, e não esqueça de passar os fios dos captadores pelos túneis antes de solda-los – risos. Veja na ilustração abaixo, o esquema de ligação das peças:


     A montagem final

     Para concluir o projeto, monte a guitarra/baixo exatamente da mesma forma que foi realizado na primeira montagem do instrumento, antes da pintura, sendo que agora fixe também os componentes da parte elétrica. Finalmente, feche a cavidade elétrica aparafusando a placa de acrílico ou fórmica devidamente cortada, Seguem algumas fotos do resultado final e caso alguém resolva executar este projeto, gostaria de saber sobre o resultado ( m.calasans@terra.com.br )!



Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.21 | SMF © 2006-2009, Simple Machines

XHTML 1.0 Válido! CSS Válido! Dilber MC Theme by HarzeM
Página criada em 0.102 segundos com 29 procedimentos.
SimplePortal 2.3.3 © 2008-2010, SimplePortal