Handmades

Off Topic => Conhecimento => Tópico iniciado por: Dexter em 03 de Agosto de 2018, as 17:23:11



Título: Trilhas em 90 ou 45 graus, mitos e verdades
Enviado por: Dexter em 03 de Agosto de 2018, as 17:23:11
Achei interessante o artigo, por isso resolvi compartilhar

https://resources.altium.com/pcb-design-blog/pcb-routing-angle-myths-45-degree-angle-versus-90-degree-angle (https://resources.altium.com/pcb-design-blog/pcb-routing-angle-myths-45-degree-angle-versus-90-degree-angle)


Título: Re: Trilhas em 90 ou 45 graus, mitos e verdades
Enviado por: xformer em 03 de Agosto de 2018, as 18:15:01
Minhas preocupações em não desenhar trilhas que dobram a 90° é que elas ficam mais longas (e portanto aumentariam a resistência) e quando são várias trilhas paralelas como a de um barramento de dados, ocupam mais área do que se dobrassem a 45°, espaço este que poderia ser ocupado por componentes. Ou seja, usar ângulos de 45° criam atalhos para a trilha e economizam espaço.
Outra preocupação que já li a respeito, é que o ângulo de 90° na trilha cria uma ponta na trilha cobreada que pode facilitar o descolamento da camada de cobre da placa. 


Título: Re: Trilhas em 90 ou 45 graus, mitos e verdades
Enviado por: A.Sim em 03 de Agosto de 2018, as 18:59:32
Minhas preocupações em não desenhar trilhas que dobram a 90° é que elas ficam mais longas (e portanto aumentariam a resistência) e quando são várias trilhas paralelas como a de um barramento de dados, ocupam mais área do que se dobrassem a 45°, espaço este que poderia ser ocupado por componentes. Ou seja, usar ângulos de 45° criam atalhos para a trilha e economizam espaço.

Bingooo...!


Título: Re: Trilhas em 90 ou 45 graus, mitos e verdades
Enviado por: marcao_cfh em 03 de Agosto de 2018, as 19:28:10
Outra preocupação que já li a respeito, é que o ângulo de 90° na trilha cria uma ponta na trilha cobreada que pode facilitar o descolamento da camada de cobre da placa. 
Já li comentários sobre isso e acredito que seja verdade. De fato, já descolei diversas trilhas com curvas em 90°. Após ler esse tipo de comentário, passei a usar curvas em 45° e raramente tenho esse problema de descolar trilhas.


Título: Re: Trilhas em 90 ou 45 graus, mitos e verdades
Enviado por: Ramsay em 03 de Agosto de 2018, as 21:00:51
Citar
Minhas preocupações em não desenhar trilhas que dobram a 90° é que elas ficam mais longas (e portanto aumentariam a resistência) e quando são várias trilhas paralelas como a de um barramento de dados, ocupam mais área do que se dobrassem a 45°, espaço este que poderia ser ocupado por componentes. Ou seja, usar ângulos de 45° criam atalhos para a trilha e economizam espaço.
Outra preocupação que já li a respeito, é que o ângulo de 90° na trilha cria uma ponta na trilha cobreada que pode facilitar o descolamento da camada de cobre da placa. 

Quanto a ocupação de mais área pelas trilhas dobradas a 90º eu concordo, agora quanto ao aumento de resistência, é questionável, porque aumenta de quanto? 0.001 ohms?


Título: Re: Trilhas em 90 ou 45 graus, mitos e verdades
Enviado por: Mallermb em 04 de Agosto de 2018, as 04:36:02
No caso dos jumpers, já mediram a resistência dos jumpers que usamos? acredito que a resistência deles seria muito maior do que das trilhas, confere?


Título: Re: Trilhas em 90 ou 45 graus, mitos e verdades
Enviado por: xformer em 04 de Agosto de 2018, as 08:56:02
Quanto a ocupação de mais área pelas trilhas dobradas a 90º eu concordo, agora quanto ao aumento de resistência, é questionável, porque aumenta de quanto? 0.001 ohms?

A resistência depende de uma série de fatores: espessura da camada de cobre, largura da trilha, comprimento da trilha, temperatura, pureza do cobre, etc.
Veja no gráfico abaixo quanto é a resistência por mm de comprimento da trilha de acordo com a largura e espessura da camada:
(https://preview.ibb.co/dtzvyz/resistenciatrilha.jpg)

Então, de acordo com o seu valor de 0,001 ohms por mm de comprimento, a trilha poderia ser de 1 onça por pé quadrado (34 microns ou micra ou micrometros) e largura de 0,5mm que é uma trilha típica que nós podemos desenhar.  Se a trilha aumentar em 50mm (5cm) no caminho, serão 50 mili ohms a mais.

Pode parecer pouco para a maioria das aplicações, mas pode ser importante num circuito de instrumentação ou de precisão.  Eu lembro por exemplo, que num sensor de temperatura PT100 (termo resistência de platina que tem 100 ohms a zero grau) e que geralmente é usada com uma ponte de wheatstone, até a pouca resistência dos fios que ligam o sensor deve ser compensada (inclusive existe sensor com 2, 3 ou 4 fios, pra que os braços da ponte tenham compensação). Algumas placas eletrônicas tem trilhas mais estreitas e com comprimento longo, onde pode ser relevante a resistência da trilha.  Tudo depende da aplicação, mas o projetista deve estar ciente do que pode ocorrer.  


Título: Re: Trilhas em 90 ou 45 graus, mitos e verdades
Enviado por: Dexter em 04 de Agosto de 2018, as 21:57:01
Pelo visto, os aspectos mecânicos da placa justificam o uso de curvas em 45 graus, não os elétricos, certo?


SimplePortal 2.3.3 © 2008-2010, SimplePortal