Handmades</center>
 
*
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registro. 19 de Abril de 2019, as 23:35:30


Login com nome de usuário, senha e duração da sessão


collapse

* Usuário
 
 
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registro.

* Tá ligado?
  • Dot Visitantes: 27
  • Dot Escondidos: 0
  • Dot Membros: 1
  • Dot Usuários Online:

A verdade sobre o True bypass
Autor: Bruno C. Bicalho (visioncb)

Artigo por B. Andrew Barta, presidente da Tech 21 USA, Inc

     Artigo apenas traduzido, os créditos vão somente ao criador do artigo, B. Andrew Barta presidente da Tech 21 dos Estados Unidos. O artigo original em inglês encontra-se em www.tech21nyc.com/tech_notes/tech_truebypass.html

     Ultimamente, todos ficam perguntando a si mesmos se nossos pedais são “true bypass”. Houve uma grande discussão (e com sucesso) da mídia sobre o assunto, levando ás crenças cegas de que true bypass são café com leite. Após anos e anos de pesquisa e testes sobre desenvolvimento de circuitos, cheguei á conclusão a um bom tempo atrás de que true bypass não são exatamente “true”.



Imagem concedida de www.pisotones.com

     Os primeiros circuitos de bypass

     Os primeiros pedais de efeito para guitarras apareceram a uns 40 anos atrás. Os designers de circuitos quiseram dar aos músicos a facilidade de escolher entre efeito, ligado e desligado ao simples tocar de um botão. Então eles instalaram o chaveamento por bypass. Entretanto, existia apenas uma seleção bem limitada de componentes na época. O único chaveamento apropriado para ser pisado era na verdade designado para o uso de chave de liga/desliga de aspiradores de pó e maquinas de limpeza. Eles eram apenas de um único pólo, desta forma:



Imagens concedidas do artigo original

     Esses chaveamentos não eram exatamente de boa qualidade, não para áudio, mas os engenheiros tinham que se virar com o que estava disponível. Infelizmente, os primeiros chaveamento de bypass tinham um grande defeito. Quando o efeito estava em bypass, o estágio de entrada do circuito ainda continuava conectado aos captadores da guitarra, também conhecido como “split-bypass”:


     Os transistores do circuito tinham uma impedância de 50kOhm a 100kOhm, os captadores da guitarra precisavam ser conectados em circuitos com o mínimo de 1MOhm (1,000,000 Ohms) para prevenir a degradação do sinal. Esses circuitos de bypass efetivamente carregavam os captadores, dando uma diferença audível ao som. Carregando os captadores reduz as altas freqüências e o volume, causando o que é chamado de “roubo de timbre”, um tom mais artificial, sem vida (Nota: com captadores ativos ou com sinas já com preamps, esse efeito não é audível.)

     “True Bypass” Passivo

     Mais tarde, quando houve maiores e melhores opções de chaves, engenheiros começaram a melhorar os circuitos para um método de chaveamento mais sotisficado, com uma chave de dois pólos:




Imagem concedida de www.pisotones.com

     Foi concluído que você poderia previnir do circuito carregar os captadores em bypass, mudando totalmente a linha do sinal, não passando pelo circuito do pedal.

     Então, o termo “True Bypass” nasceu. Com ela foi feita uma considerável diferença audível e tornou-se tão popular que as pessoas começaram a mudar seus antigos efeitos para usar true bypass.

     Então, True bypass é mesmo “true” ?



     Quando você utiliza uma chave de dois pólos, você usará um chaveamento que é bem similar em design ao original chaveamento utilizado nos aspiradores de pó, ainda sim nunca foram intencionados para serem usados em aplicações com áudio. Isto pode ser confirmado olhando bem a marcação que esta no switch:


     Se a voltagem está marcando 120v/1Amp ou maior, então você pode ter idéia de que você não tem um dispositivo com precisão em suas mãos.

     E assim estes chaveamentos causaram dois grandes problemas em áudio:

  • Houve um POP audível quando você usa o chaveamento.
  • Eles possuem uma capacitância alta, tipicamente algo como 20 pF para 100 pF. Alta capacitância combinada com alta resistancia resulta em altas freqüências, fazendo seu som ficar estranho e "seco". Agora combine isto com vários cabos e coloque junto de onde iniciamos, com o “roubo de timbre” do bypass. (Não tão severo como o chaveamento de um pólo, mas ainda assim continua.) Infelizmente, este problema é multiplicado quando vários e vários sistemas de pedais estão na cadeia ligadas ao sinal.

     Bypass ativo (ou com buffer)

     No meio dos anos setenta, engenheiros desenvolveram um circuito ativo para resolver os problemas de POP e da perda de timbre. Esses novos desings resultaram em um estagio de entrada com alta impedância que usavam os novos Field Effect Transistor (FET) nos circuitos integrados. Esta alta impedância combinava com a impedância de entrada dos amplificadores valvulados (algo sobre 1 MOhms) e assim então não carregavam os captadores.


     E assim tiveram outros benefícios para usar o sistema ativo de bypass, Bypass ativos convertiam os sinais para baixa impedância fazendo resistente ao “roubo de timbre” de outros pedais e de cabos de baixa qualidade, ou até mesmo cabos muito longos que passavam o sinal. Designers conseguiram aumentar a expectativa de vida sobre os grandes swtiches usando partes menores, porém resistentes. Bypass ativo deu a opção de usar o rápido “cross fading” (alguns 50 ms) com circuito por FET, que eliminava o alto POP associado com o sistema passivo de true bypass. E com um bônus, designers puderam facilmente adicionar um LED indicador dentro do circuito. Para os bypass passivos, esta adição seria necessária uma chave de três pólos de duas posições, o que tornava bem caro e difícil de encontrar. Em fato, o único defeito do sistema ativo de bypass era que, se a bateria acabasse, acabaria também o seu sinal em bypass. Um preço baixo para pagar por todos os outros benefícios, então esse circuito foi rapidamente adotado pelas maiores fabricantes de pedais de efeito. Com exceções dos relançamentos, vintage ou visual vintage. Alguns pedais de wah wah ainda continuam com a chave de um pólo.

     Pode ser notado que nem todos os circuitos ativos de bypass são criados igualmente. Alguns são bons, outros não.

     O circuito ainda tem de ser desenhado corretamente, ter uma impedância correta e usar componentes de qualidade.

     Então teve o recente desenvolvimento do bypass digital

     Estes foram usados exclusivamentes para circuitos baseados em DSP. Com o bypass digital, o sinal na verdade nunca saia do processador digital. O sinal analógico da guitarra ainda eram convertidos em números binários e então voltava para o analógico, porem o processador foi dito para não modular ou manipular estes números. Bypass digital salvou dinheiro por não precisar de componentes extras nem a necessiade de uma chave de bypass sobre o processador digital. Todo o chaveamento de bypass era feito dentro do processador utilizando software. A qualidade de som deste bypass dependia da qualidade dos conversores analógico/digital usado nos tantos filtros de limitação de banda ou anti-aliasing nas entradas e saídas do design criado.

     Contudo, nem todos os produtos DSP usam este atalho. Alguns designs usam uma combinação dos métodos antigos, outros utilizam relés para o chaveamento do sinal. Esses sistemas não são comuns como os anteriores, são mais vistos em processadores de rack de efeito. A qualidade do som desses sistemas dependiam na qualidade dos relés utilizados e também do circuito em si. Alguns relés davam um ótimo resultados, enquanto outros tinham o mesmo problema de capacitância associado com o sistema passivo de chaveamento.

     Então eu deveria me preocupar com o bypass?

     Por alguns desings podem ocorrer uma mudança considerável no som do seu instrumento. Você pode estar dando ao efeito apenas 10%-20% do tempo de uso, mas seu sinal está passando a cada pedal/processador 100% do tempo.

     Então a preocupação com o bypass é surpreendentemente importante.

     No intuito de decidir qual é o melhor para você, você deveria ouvir toda a variedade de produtos disponíveis. Para sentir corretamente a diferença entre estes circuitos, sempre teste um pedal/processador por vez, usando exatamente o mesmo setup de instrumento e amplificador. Isso significa também os mesmos potenciômetros nos mesmos níveis. Mais de um efeito na cadeia poderia te dar resultados falsos, dependendo da localidade da unidade na cadeia do sinal.

     Claro, no final das contas, o que realmente importa é se você está ou não satisfeito com o som. Então use as SUAS orelhas, faça suas PRÓPRIAS decisões baseadas no som, e não acredite na mídia. Afinal, Jimi se deu muito bem sem o “True bypass”.

     Dicas e truques:

     O circuito de bypass podem ser melhorados usando uma chave de DPDT usando a seguinte configuração:

  • Pedais vintage (vem do Wine mais Age, “vinho de safra antiga”) utilizando uma chave de pólo simples de duas posições.
  • Novos ou relançamentos de pedais que usam chaveamentos de um pólo.

     No outro lado da moeda, alguns pedais que não se beneficiarão com a modificação de true bypass, sonoramente ou mecanicamente: pedais da Boss ou da Ibanez.

  • Você poderá se sobressair da situação de POPs na saída do true bypass utilizando buffer em seus captadores do instrumento. Pode ser facilmente feito colocando um booster ou um pedal com bypass em buffer entre seu instrumento e o seu pedal com bypass mecânico.
  • Tenha certeza de que esteja suprindo energia suficiente para o pedal de bypass ativo. Uma bateria acabando ou pouca energia resultará na falta de profundidade e headroom no sinal.
  • Tenha certeza de que esteja utilizando cabos de boa qualidade para conectar seus pedais, guitarras e amplificador.

     Adição: Acredita-se que famosos millenium bypass dêem um pouco mais de POP dependendo do transistor utilizado, porém em outros casos como a millenium 2 acredita melhorar a relação do ruído do chaveamento, enquanto acredita-se que chaves 3PDT também dêem POPs ao som, ao contrário do que muitos acreditam, acredita-se também que os LEDs tem uma parte na culpa do ruído (um artigo sobre isso: http://www.muzique.com/lab/led.htm).

     Os POPs são gerados pelos capacitores de entrada ou saída descarregando-se quando a chave é acionada. Os resistores “pull down resistor” deveriam mandar esta carga para o terra, recomenda-se colocar resistores de 1 MOhms a 4 MOhms na entrada do sinal em relação ao terra e em média de 100 KOhms na saída do sinal com o terra do efeito (um artigo sobre isso: http://www.geofex.com/Article_Folders/box_pop.htm)

     Ainda não existem métodos efetivos contra estes POPs.

     Um bom artigo sobre bypass encontra-se na www.pisotones.com neste endereço www.pisotones.com/Articulos/truebp.htm.

Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.21 | SMF © 2006-2009, Simple Machines

XHTML 1.0 Válido! CSS Válido! Dilber MC Theme by HarzeM
Página criada em 0.144 segundos com 29 procedimentos.
SimplePortal 2.3.3 © 2008-2010, SimplePortal